Histórico:

- 09/04/2006 a 15/04/2006
- 02/04/2006 a 08/04/2006
- 26/03/2006 a 01/04/2006
- 19/03/2006 a 25/03/2006
- 12/03/2006 a 18/03/2006
- 05/03/2006 a 11/03/2006
- 26/02/2006 a 04/03/2006
- 19/02/2006 a 25/02/2006
- 12/02/2006 a 18/02/2006
- 05/02/2006 a 11/02/2006
- 29/01/2006 a 04/02/2006
- 22/01/2006 a 28/01/2006
- 15/01/2006 a 21/01/2006
- 08/01/2006 a 14/01/2006
- 01/01/2006 a 07/01/2006
- 25/12/2005 a 31/12/2005
- 18/12/2005 a 24/12/2005
- 11/12/2005 a 17/12/2005
- 04/12/2005 a 10/12/2005
- 27/11/2005 a 03/12/2005
- 20/11/2005 a 26/11/2005
- 06/11/2005 a 12/11/2005
- 23/10/2005 a 29/10/2005
- 16/10/2005 a 22/10/2005
- 02/10/2005 a 08/10/2005
- 25/09/2005 a 01/10/2005
- 18/09/2005 a 24/09/2005
- 11/09/2005 a 17/09/2005
- 04/09/2005 a 10/09/2005
- 28/08/2005 a 03/09/2005
- 21/08/2005 a 27/08/2005
- 14/08/2005 a 20/08/2005
- 07/08/2005 a 13/08/2005
- 31/07/2005 a 06/08/2005
- 24/07/2005 a 30/07/2005
- 17/07/2005 a 23/07/2005
- 10/07/2005 a 16/07/2005
- 03/07/2005 a 09/07/2005
- 26/06/2005 a 02/07/2005
- 19/06/2005 a 25/06/2005
- 12/06/2005 a 18/06/2005
- 05/06/2005 a 11/06/2005
- 29/05/2005 a 04/06/2005
- 22/05/2005 a 28/05/2005
- 15/05/2005 a 21/05/2005
- 08/05/2005 a 14/05/2005
- 01/05/2005 a 07/05/2005
- 24/04/2005 a 30/04/2005
- 17/04/2005 a 23/04/2005
- 10/04/2005 a 16/04/2005
- 03/04/2005 a 09/04/2005
- 27/03/2005 a 02/04/2005
- 20/03/2005 a 26/03/2005
- 07/03/2004 a 13/03/2004
- 08/02/2004 a 14/02/2004
- 01/02/2004 a 07/02/2004



Outros sites:

- UOL
- Antonio Mariano
- André Ricardo Aguiar
- Dira Vieira
- Maria José Limeira & Amigos
- Hilton Júnior
- Cintia Melo
- Rogério Santos
- Gisele
- Nel Meirelles - Fala Poética
- A Teia da Aranha
- João Andrade - Por sobre as cabeças
- João Andrade - Poemóides
- Palavra ardente
- Clube do Conto-PB
- Clube da Gravura da Paraíba
- Poros e Cendais - Antoniel Campos
- Eu sei escrever
- Literatura clandestina
- Lúmini - Companhia de Dança
- Douglas Mondo
- Opinião
- Rubens da Cunha - Casa de Paragens
- Amina Ruthar
- Mauro Cherobim
- Boicote contra Bush
- Cinema
- Alameda Santo Antonio
- Andréa Motta
- Ana Maria Costa
- Haikais amargos
- Viagens InSanas - Federico Baudelaire
- Ricardo Pinto
- Manuel Rodrigues


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Contador:

Layout por


A Literatura deve denunciar a injustiça e celebrar a vida.

Eduardo Galeano



- Postado por: Oficina às 20h40
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




UM TEXTO BONITO EM DEBATE:

“A MORTE DA FALA”, DE JOSÉ FÉLIX

.........................

 

a morte da fala

 

apareces reduzida na mais ínfima admiração.

até as palavras apetrechadas de asas

- já não têm a beleza da água -

estão despidas do barroco que tanto

aplauso esconderam na mediana da noite.

é para veres, porque já o sabes,

nem sempre a cinza é o parto da chama,

e o pó da fala arrefece, sem remédio ou cura,

no desprezo mais profundo da escrita em repouso.

não há luz que centelhe na escuridão

quando uma palavra, em silêncio, morre

com a visão dos tristes a prestar-lhe tributo.

 

josé félix

2006.03.03



- Postado por: Oficina às 01h08
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




A morte da fala - Final

A MORTE DA FALA

Um texto de José Félix

 

(Análise crítica)

 

Maria José Limeira

 

Eis aqui um texto (“A morte da fala”, do poeta português José Félix), que é o supra sumo de todos os textos que conheço do autor. Poema por excelência, esse texto parece resumir, em poucas linhas, toda uma obra que o autor realiza, pesquisando linguagem, construindo seu discurso pausadamente, com ritmo, musicalidade, tensão e drama,  onde todas as possibilidades se cumprem, e parece ter vida própria. No entanto, fala da morte e, particularmente, da “morte da fala”...

É belíssimo esse poema. De tão leve, voa!

Construído a partir da terceira pessoa – o eu ausente – conta uma história cheia de mistério, escondida atrás da metáfora, que dispensa a urna funerária porque o etéreo não tem corpo, sendo, pois, a personificação do “sublime”, do “elevado” (enlevado?) e não precisa de carcaça para se materializar.

Pois aqui se trata, senhoras & senhores, da “fala” e, muito particularmente, da “morte da fala”, como se fosse um velório sem defunto, sem caixão, e sem carpindeiras que o chorassem. Sendo só, e absolutamente, a fala como discurso de solidão.

Este texto se realiza em dois planos.

No primeiro cenário, temos um narrador que se dirige ao interlocutor imaginário (a fala) e, na cena final, “a visão dos tristes a prestar-lhe um tributo”. Neste caso, realiza-se um ato cinematográfico (do parece que estou vendo) que retorna ao início do poema, num corte espetacular, onde todos são autores (atores?). E isto é que dá movimento e dramaticidade ao texto.

Fora todos os sintomas de que se trata, realmente, de Poesia com todas as letras, falar da técnica perfeita, e de como se adequa ao conteúdo, a partir do título, seria, no mínimo, chover no molhado.

 

(Maria José Limeira é escritora e doce jornalista democrática de João Pessoa-PB).



- Postado por: Oficina às 01h04
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




NOVO TEXTO EM DEBATE;

“QUASE OSSO”, DE RICARDO PISOLER

..................................

 

Quase osso (r.pisoler)

  

Quando o ódio,

pula sobre minhas veias,

e ataca a carne tensa de ilusões,

avermelhando minha face,

tingindo meus tecidos,

transformando-me em monstro,

um grito.

Sai dali pruridos de minha angústia,

cadáveres de meus pecados,

ócios de minha preguiça,

desmaltada,

crua.

Quando o ódio,

parte por meu parto,

sem dano algum a outro,

simplesmente camuflado,

liberto-me,

aos poucos.

Torno a ser minha maioria,

do silêncio a calmaria,

da felicidade um poço,

findo em mim,

quase osso.

Acordo feito um mar,

solto do horizonte,

sal sem cativeiro

revolto



- Postado por: Oficina às 00h25
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Quase osso - Final

QUASE OSSO

Um texto de Ricardo Pisoler

 

(Análise crítica)

 

Maria José Limeira

 

Meus amigos & Amigas. A internet, ferramenta admirável de encurtar distâncias e aproximar pessoas, transformou-se, atualmente, em meio de difusão do ódio – o amor tão esquecido – que as pessoas usam para desabafar rancores, trocar tapas e mandar balas. Uns odeiam nordestinos. Outros acham que os presos não têm direitos. Tem gente que odeia homossexuais. Outros defendem a violência contra crianças, etc. etc. Uma minoria, infelizmente, que tenta cultivar ética no ciberespaço e direitos humanos para todos, fica acuada no meio do tiroteio, e acha mais prudente silenciar.

Este texto “Quase osso”, de Ricardo Pisoler, mastiga um ódio particular e único, que deve ser digerido e ruminado sem causar danos, pois o que acontece é que ninguém é de ferro e, no meio da zona de perigo, há que se resguardar de um mal que parece atingir a todos, com algum rompante que sirva, no mínimo, de desabafo.

Até Mário Quintana teve suas explosões de raiva, que expressou candidamente, por exemplo, neste texto que eu considero de uma sabedoria exemplar, como resposta a um meio  hostil:

“Estou triste...

Não aquela tristeza daqueles que ao invés de se matarem escrevem poemas

Estou triste porque vocês são burros e feios.

E não morrem nunca.”

O texto de Pisoler, contudo, não chega a estes extremos, e se desenvolve em maquinações e pensamentos interiores, que visam apenas refletir um estado d´alma de insatisfação contido em si mesmo, sem se transformar em problema social.

É um texto elegante, com uma linguagem poética que tem de ser desvendada. Gostei muito, embora tenha notado nele alguns senões, que não prejudicam o todo.

 

(Maria José Limeira é escritora e doce jornalista democrática de João Pessoa-PB)



- Postado por: Oficina às 00h23
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




NOVO TEXTO EM DISCUSSÃO:

“MÃE”, DE ANA MARIA COSTA

............

 

Mãe

 

A tua essência bebo

nos beijos de fêmea.

 

Procuro o fio do umbigo e guardo-o.

 

Ouço no teu interior o caos e respiro lama na placenta morta.

 

Visto de vermelho o corpo mas

penso no preto.

 

O frio é o laço e

as lágrimas o alimento. 

 

Ana Mª Costa



- Postado por: Oficina às 00h19
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Mãe - Cont.

este texto encerra uma actividade intelectual e comportamental, que é o «eterno retorno» ou o regresso ao decúbito ventral. é um comportamento poético que nos transporta para o mito de fénix: renascer das próprias cinzas.

neste poema o autor deseja o regresso à ante vitae, ou seja, ao ventre materno. é um desejo gorado, uma vez que o autor deseja, também, a morte. a dicotomia morte / vida está explícita na estrofe "[...] Visto de vermelho o corpo mas / penso no preto[...]". eu trocaria a estrofe por "[...]

Visto de  vermelho o corpo e / tenho o preto[...]" uma vez que é a condição natural do poema, retirando o efeito desejado a conjunção adversativa «mas». também trocaria "morta" por "seca". a ideia clara do decúbito ventral é clara em  "Procuro o fio do umbigo e guardo-o", idealizando uma permanência de onde não se pretende sair.

a ana maria vem revelando alguma reflexão nos poemas que cria, e isso é muito bom.

josé félix



- Postado por: Oficina às 00h16
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Mãe - Final

SOBRE O TEXTO “MÃE”, DE ANA MARIA COSTA

Maria José Limeira

 

O tema é batido, comum, mais do que explorado por poetas de todos os tempos.

Porém, o que chama a atenção neste texto “Mãe”, de Ana Maria Costa, é que parece uma homenagem às avessas, com apelos dramáticos que não encontro em outros autores.

Portanto, trata-se  de um texto original e único, rico em metáforas, que segue em vários planos, sempre mantendo a tensão entre útero e feto, morte e vida, com nuances de cores,  ora  vermelhas e, depois, pretas. As cores vibrantes do escândalo.

Chamo a atenção para a inclusão de um eu-lírico atento e observador, que faz parte da narração, e que interage como elemento aglutinador.

Por mim, não acrescentaria e nem retiraria uma vírgula do que está escrito, pois se realiza em ritmo e musicalidade, sendo estas as qualidades essenciais à Poesia.

Aiaiai, meninos & meninas, é um texto emocionante!

 

(Maria José Limeira é  escritora e doce jornalista democrática de João Pessoa-PB)



- Postado por: Oficina às 00h13
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




NOVO TEXTO EM DEBATE:

“SONETO DA DEBUTANTE”,

DE ROMILDE JUNQUEIRA

................................

 

Soneto da debutante

 

Eu quero uma canção que me complete

Um lírico-eu príncipe encantado

Trotando em seu cavalo bravamente

E tão veloz, a mim parece alado

 

Eu quero que ele traga na algibeira

Pó mágico que falta nos meus sonhos

E um beijo me fará feliz inteira

E juntos dormiremos, dois risonhos

 

E dele se alimentará a alma

De mim, tão fascinada criatura

E quando ele sorrir, de seu sorriso

 

Sairá uma alva luz de tal brancura

Que um dia numa prece muito calma

Direi a Deus que nada mais preciso

 

Soneto da debutante, Romilde Junquera - O Circo

 



- Postado por: Oficina às 00h12
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Debutante - Final

SONETO DA DEBUTANTE

Um texto de Romilde Junqueira

 

(Análise crítica)

 

Maria José Limeira

 

Eu gostei muito desse “Soneto da debutante”, de Romilde Junqueira. Trata-se de um poema dentro dos padrões de soneto, o que prova que a autora entende de Poesia e obedece às regras. O poeta Mário Quintana já dizia aos jovens que o procuravam que todo poeta que se preza tem que escrever soneto, em primeiro lugar. Quintana queria dizer com isto que toda nova escola literária só se realiza quando se está a par do que se fez antes. Sem isto, ninguém consegue criar nada, muito menos coisas novas.

Essa palavra “debutante”, já fora de moda, é muito antiga, e o soneto de Romilde Junqueira administra bem o tema, a partir mesmo do título, que se adequa bem ao conteúdo.

Um bom poema tem que ter sentimento, emoções e metáforas, e o texto citado soma tudo isto e mais alguma coisa, o estilo próprio da autora, que vem desenvolvendo sua obra com sobriedade e parcimônia, conduzindo os temas em obediência às regras do bom Português.

Como técnica, o texto é um primor.

Como talento, Romilde Junqueira é uma das melhores autoras que tenho encontrado, no meio das agruras de uma internet caótica, onde o que vale é a anarquia pejorativa e petulante, em todos os sentidos, tanto nas comunidades literárias quanto nos debates de temas polêmicos.

 

(Maria José Limeira é escritora e doce jornalista democrática de João Pessoa-PB)

 

Fonte:

Comunidade “Faço Poesia”

www.orkut.com/



- Postado por: Oficina às 00h08
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




NOVO TEXTO EM DEBATE:

“ESTRELA CADENTE”,

DE LUCIANO RATAMERO

........................

Estrela cadente

 

Quem dera Vênus caísse sem nenhum pudor em minha cama.

Estrela d'Alva,

que com seus véus me enlouquece,

e que com seu charme brandamente feminino

brada meu nome enquanto longe.

 

Mas quem disse

que a estrela que caía

era ela?

 

Luciano Ratamero



- Postado por: Oficina às 01h05
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Estrela cadente - Cont.

ESTRELA CADENTE

Um texto de Luciano Ratamero

 

(Análise crítica)

 

Gostei muito desse texto “Estrela Cadente”, de Luciano Ratamero. É um poema meio enviesado, com um verso muito longo, outro curto, e o ritmo comprometido, mas no fim, resultou em boa colheita. Essa expressão “estrela cadente” não é nova, mas isto não compromete o texto como um todo.

O título se adequa bem ao conteúdo, que mantém a coerência até o fim.

O autor é, ainda, novato em Poesia, e somos testemunhas do seu esforço em exercitar sua literatura. Vem fazendo progressos a cada passo. Mas, seus textos são dispersos e não obedecem à unidade, que seria qualidade essencial numa obra. Porém, acreditamos que vai conseguir o seu intento.

O nível técnico de seus textos ainda têm um longo caminho a percorrer, antes de descobrir a trilha, mas há criatividade no conteúdo.

Uma de suas melhores qualidades é que cultiva um bom nível ortográfico, o que já  é grande coisa num poeta jovem.

 

(Maria José Limeira é escritora e doce jornalista democrática de João Pessoa-PB)



- Postado por: Oficina às 01h04
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Estrela cadente - Cont.

O texto me agradou muito tb. Bem misterioso, assim como o espaço onde moram as estrelas. Realmente um texto agradável de se ler, curto e forte.

Sds, Ricardo.



- Postado por: Oficina às 01h02
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Estrela cadente - Cont.

esse poema pode ser melhorado... o excesso de "que"s,  para começar, o compromete - nada que não se possa retrabalhar... "brandamente",

também, soa-me forçado...  fiz aqui uma tentativa, lucci, vê o que achas...

não precisas considerar essa fórmula, é só um exemplo - tu és o autor!

desculpa-me a intromissão...

 

"Estrela cadente

 

Quem dera Vênus caísse sem nenhum pudor em minha cama.

Estrela d'Alva,

seus véus me enlouquecem,

seu charme

brada meu nome.

 

a estrela cadente

era ela?"

 

beijão

líria



- Postado por: Oficina às 01h01
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Estrela cadente - Final

opa, desculpa a demora.

mas então, gostei do que fez no poema, mas tem umas partes que, se retiradas, tiram o sentido do poema para mim. sabe, eu sou desses que colocam sentidos velados nos poemas.

então, acho que, por fim, fica assim:

 

Estrela cadente

 

Quem dera Vênus caísse sem nenhum pudor em minha cama.

Estrela d'Alva,

seus véus me enlouquecem,

e seu charme brandamente feminino

brada meu nome enquanto longe.

 

Mas será

a estrela cadente

ela?

 

Lucci



- Postado por: Oficina às 00h59
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________